Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

DIA I. da MULHER: MATERNIDADE NÃO ENCARECE CUSTO EMPRESARIAL

Por: Enio Vieira, O Globo, 5 III 2005

PESQUISA da O I T

DESTRÓI MITO QUE

MÃO-DE-OBRA

FEMININA É

MAIS CARA

Maternidade encarece só em 1,2% custo de empresa com mulher no país

 

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) realizou uma pesquisa em cinco países latino-americanos (Brasil, Argentina, Uruguai, Chile e México) que desmonta a tese de um custo enorme para contratação de mulheres devido os diretos relacionamentos com a maternidade. Nestes países, as empresas têm um aumento médio de 2% com serviços de creche, horas por dia que a mulher tem para amamentar o filho e custo para substituição da trabalhadora no período de licença-maternidade. No caso brasileiro, a elevação de despesa é de apenas 1,2%.

Mulheres ganham em média 30% a menos que os homens

Segundo a especialista regional em gênero da OIT, Laís Abramo, os representantes de empresas brasileiras utilizam o argumento de um custo trabalhista maior para justificar a preferência por homens na hora da contratação. Ela ressaltou que as despesas também não são tão grandes em vista do nível salarial das mulheres no Brasil, que está em média 30% abaixo dos salários recebidos pelos homens. Nos cinco países, informou Laís, os salários no período de licença-maternidade são bancados com recursos da seguridade social ou com um fundo público, como ocorre no Chile, sem acarretar mais custo para as empresas.

- A incidência de gestação vem caindo, especialmente entre as mulheres que têm emprego fora de casa. Além disso, as trabalhadoras não têm filhos todos os anos – disse Laís, acrescentando que o conteúdo completo da pesquisa será divulgado em 8 de março, Dia Internacional da Mulher.

A especialista da OIT disse que 2004 foi bom para as trabalhadoras, pois houve queda maior de desemprego entre elas do que dos homens. Na cidade de São Paulo, a taxa de desemprego feminina foi de 21,5%, uma queda de 6,8% em relação a 2003. Entre os homens, o desemprego ficou em 16,3% (5,55% de redução), segundo dados do IBGE utilizados para embasar o documento da OIT.

As boas notícias terminam aí. Pelos dados de 2003, as mulheres representavam 54,1% dos 8,515 milhões de desempregados no Brasil. Entre 1993 e 2003, o contingente de mulheres desempregadas cresceu 120,5% e de homens, 70,2%.

Além disso, elas permanecem ganhando rendimentos inferiores aos dos homens, apesar de terem nível de escolaridade superior, de sete anos, contra 6,8 da força de trabalho masculina. Em 2003, as mulheres recebiam por hora cerca de 83% do rendimento dos homens.

A desigualdade de rendimentos entre homens e mulheres aumenta quanto maior nível de escolaridade. O salário das mulheres é de cerca de 65% do rendimento dos homens no grupo dos que têm 11 a 14 anos de escolaridade, e de 60% entre os que têm 15 anos ou mais. Para Laís, o quadro se torna mais grave quando se trata de mulheres negras:

- A desigualdade e a discriminação de gênero e raça não são questões de minorias. Se somarmos as mulheres e os negros de ambos sexos, são 70% da população economicamente ativa (PEA).

Com base em dados do IBGE, Laís salientou que as mulheres negras recebem entre 35% e 50% do valor dos salários dos homens não negros e de 45% a 65% em comparação às mulheres não negras.
 


Última atualização: 30/5/2011

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
24 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital