Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

\ Amamentação \ Pesquisas \ Artigo

MÃES com HIV + PODERÃO AMAMENTAR?

Por: Agência NOTISA - BR Press - dez. 2008

Mães soropositivas podem amamentar 

    

Quando se descobre que uma mulher portadora do vírus HIV está grávida, grande parte da atenção volta-se para a saúde do bebê. Todo o possível é feito para que o feto não contraia o vírus e possa se desenvolver adequadamente. Uma das medidas tomadas, nesse sentido, tem sido além de precauções na gestação e no parto, a interrupção da amamentação ao peito com o objetivo de diminuir a exposição do bebê ao vírus, que pode ser transmitido pelo leito materno.

Nesse contexto, estudos sugerem que há uma relação entre a mortalidade dessa criança e o número que a mãe apresenta de linfócitos T CD4, células do sistema de defesa do organismo que são atacadas pelo vírus e que indicam o estágio da infecção do portador. Acredita-se que o grau de imunossupressão da mãe (defesa do organismo) afete diretamente a saúde do bebê.

Uma pesquisa, conduzida por pesquisadores dos Estados Unidos e da Zâmbia, mostrou que os filhos não-infectados de mães com contagem de CD4 inferior a 350 tinham 2,9 mais chances de morrer em até 4 meses do que aqueles cujas progenitoras apresentavam um CD4 acima desse valor. Em geral, os valores normais de um indivíduo saudável não-portador de HIV variam entre 600 e 1200.

De acordo com artigo sobre o estudo, que aguarda publicação no International Journal of Epidemiology, os pesquisadores analisaram um total de 1.435 mulheres grávidas infectadas por HIV entre maio de 2001 e setembro de 2004, atendidas em duas clínicas, na cidade de Lusaka, capital da Zâmbia.

Além disso, segundo os dados apresentados, as crianças de mães com CD4 inferior a 200 durante a gravidez tinham 3,2 mais chances de óbito em até 18 meses se comparadas àquelas cujo CD4 materno era superior a 500. A interrupção da amamentação, por sua vez, também foi associada a um CD4 baixo.

"Nós identificamos que os filhos não-infectados de mães com imunossupressão mais avançada foram amamentados por menos tempo e apresentaram mortalidade mais alta em até 18 meses de vida comparadas às crianças de mães que não estavam imunocomprometidas (com a defesa do organismo prejudicada durante a gravidez)", afirmam Matthew P Fox, da Boston University (EUA) e colegas, autores da pesquisa. "Por isso estamos discutindo até que ponto, mesmo uma mãe com CD4 baixo, deva ou não dar de mamar a seu bebê", explicam.

De acordo com os pesquisadores, se confirmados, os resultados devem ser levados em consideração quando da decisão de se recomendar ou não a amamentação para crianças de mães soropositivas não-infectadas pelo HIV.

 "Os dados sugerem que é particularmente importante para mães com uma contagem baixa de CD4 próximas do parto persistir em tentar dar de mamar aos seus bebês não-infectados, embora este risco deva ser balanceado com o risco elevado de transmissão do HIV e uma duração maior da amamentação", destacam.

Proteção e benefícios

Os autores chamam a atenção, ainda, para um problema que assola sobretudo a África, onde os números de infectados pelo HIV são altíssimos e crescem assustadoramente, mas o acesso aos medicamentos é precário.

"Uma disponibilidade maior de terapia anti-retroviral (medicação para o HIV) de alta eficácia deve também permitir às mães que amamentam a oportunidade de prolongar essa fase sem que haja um risco elevado substancial de transmissão do vírus e, conseqüentemente, dar aos seus filhos não-infectados a proteção e os benefícios adicionais decorrentes do leite do peito durante os primeiros meses críticos de vida", concluem.

"Nossos resultados devem ser levados em consideração quando da decisão de se recomendar ou não a amamentação para crianças de mães infectadas por HIV", alertam os médicos.

 

Leia aqui no www.aleitamento.com mais sobre este tema:

 
 

AIDS & Amamentação

 

 
 

ESTUDO COMPROVA: AMAMENTAÇÃO EXCLUSIVA DIMINUI RISCO de HIV

 

 
 

ATUALIDADES em AMAMENTAÇÃO no. 30 - pdf => HIV e Alimentação Infantil

 

 
 

MÃES HIV+ na ÁFRICA - AMAMENTAM. ÚLTIMA CONSULTA TÉCNICA da OMS, UNICEF...

 

 
 

ALEITAMENTO EXCLUSIVO reduz TRANSMISSÃO da AIDS

 


Última atualização: 7/1/2011

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
24 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital