Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

ESTADO DEVE PAGAR para MULHERES AMAMENTAREM em PÚBLICO?!

Por: Prof. Marcus Renato de Carvalho, IBCLC

 /

Reino Unido paga às mães que amamentem em público

 

Governo britânico dá vales de até 235 euros a mulheres que amamentem

Como apoio a uma investigação que estuda formas de incentivar a amamentação no Reino Unido, o Governo vai dar vales de compras que podem chegar a mais de 235 euros às mães que amamentem os filhos até aos seis meses



Por Zara Soares Nogueira para Público.pt 

 

“Uma mulher jovem e caucasiana de uma área pobre irá muitas vezes dizer que é embaraçoso amamentar em público”, afirma Mary Renfrew, professora de Mother and Infant Health na Universidade de Dundee, Reino Unido. Um estudo da Universidade de Sheffield pretende mudar essa mentalidade.

 

O estudo irá envolver 130 mães de Yorkshire e Derbyshire, comunidades britânicas onde a amamentação é estigmatizada. E irá consistir na oferta de vouchers até 200 libras (quase 240 euros) a mães que deixem de alimentar o seu bebê com mamadeira (biberão) e passem a amamentá-lo em público. A intenção é perceber se as barreiras culturais contra a amamentação podem ser vencidas através de incentivos financeiros.

 

“As mães até nos dizem que [amamentar] é imoral porque os peitos estão muito sexualizados”, continua Mary Renfrew, consultora do projeto. Mas a mentora do estudo, Clare Relton, diz que “não amamentar é uma causa de desigualdade”. A amamentação protege os bebês de problemas de estômago e respiratórios, infecções nos ouvidos e outras complicações, revela um relatório da Unicef do ano passado. E também protege as mães de câncer de mama. Apesar disso, o Reino Unido registra apenas 35% de mães a amamentar até aos seis meses de idade.

 

Um artigo anterior do jornal The Guardian já tinha chamado a atenção para a situação, declarando que para passar a vergonha de amamentar em público é necessária a existência de cada vez mais fotografias de mães a fazê-lo na cultura visual popular. E se o fim do preconceito não for razão suficiente, a questão financeira talvez ajude. O estudo calcula que este projeto pode poupar ao Estado mais de 40 milhões de libras (quase 48 milhões de euros).

 

A equipe assume que a questão da fiscalização das mães pode ser uma questão problemática e, como com todos os estudos, há críticas.

Por exemplo, do Royal College of Midwives (instituição britânica que congrega as parteiras) que considera que estas mães não podem querer mudar os seus hábitos por dinheiro, mas sim pela saúde dos seus filhos.

Contudo, segundo Susan Jebb, professora de Diet and Population Health, na Universidade de Oxford, se este projeto se mostrar eficaz e econômico, é preciso ter “uma conversa pública sobre se não se deverá adotar a prática como política”.

Foto: Eliseo Fernandez/REUTERS

 

 


Última atualização: 13/11/2013

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
24 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital