Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

\ Amamentação \ Criança \ Artigo

COLO NÃO VICIA e FAZ MUITO BEM

Por: folha.com.br - 22/06/06

As vantagens de lamber a cria

   

 
Que receber carinho é bom todo mundo sabe. Mas, nos últimos anos, a neurociência descobriu por que: o cérebro tem um sistema especializado em detectar carícias -toques que deslizam suavemente sobre a pele- e informar sua ocorrência tanto a regiões que cuidam da sensação de bem-estar do corpo quanto a outras que inibem respostas variadas de estresse.

Claro que um sistema de sensibilidade a carinhos tem seus atrativos para os adultos, mas é nos recém-nascidos que sua importância se faz mais evidente:
ele funciona como um poderoso detector de mãe. Depois de nove meses no aconchego do ventre, com casa, comida e calor, o carinho freqüente é a melhor indicação de que há alguém por perto para alimentar, aquecer e proteger o bebê -geralmente a mãe.
Não receber carinho, portanto, é sinal de não ter mãe por perto -e a falta de ativação dos detectores de mãe dispara o alarme com uma resposta generalizada de estresse. Com os hormônios de estresse, corpo e cérebro saem do modo "desenvolvimento", entram no modo "sobrevivência", armazenando reservas, e dele só saem quando o cérebro detectar carinhos que indiquem que alguém começou a se ocupar do bebê. Por isso, bebês prematuros deixados em
incubadeiras, com cuidados médicos, alimento, oxigênio e calor, mas
separados da mãe, não crescem, têm vários problemas de saúde e demoram a receber alta.


Mas os benefícios do carinho vão além de permitir o desenvolvimento
tranqüilo do bebê. Um grupo da Universidade McGill, no Canadá, vem mostrando nos últimos dez anos que ratas devidamente lambidas por suas mães durante a primeira semana de vida tornam-se adultas mais tranqüilas e menos ansiosas do que ratas criadas por mães pouco carinhosas, têm respostas hormonais e comportamentais de estresse mais saudáveis e tornam-se mães carinhosas com a própria prole.

Experimentos com mães-ratas adotivas mostraram que o
determinante é o comportamento da mãe, biológica ou não: carinho gera carinho.
É um círculo vicioso altamente desejável, onde carinhos se autopropagam.
Seja bem tratado e acariciado na infância e, além de gozar de todos os benefícios de uma resposta mais saudável ao estresse quando adulto, você acariciará seus filhos também, oferecendo-lhes os mesmos benefícios.


Acaricie seus filhos, portanto, e você já estará cuidando do bem-estar dos seus netos.
 


Última atualização: 5/7/2011

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
24 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital